Rafael Toral: odisseia no espaço

[Fotografia: Vera Marmelo]

Rafael Toral acaba de editar um novo disco, Space Quartet, gravado com Hugo Antunes, João Pais Filipe e Ricardo Webbens (edição Clean Feed). Em paralelo, a editora Drag City, de Chicago, acaba de reeditar em vinil dois discos que já se tornaram clássicos da música ambiental: Sound Mind Sound Body (de 1994) e Wave Field (de 1995). No momento em que assistimos a estas edições, Toral concede uma entrevista exclusiva: faz uma retrospectiva sobre o seu Space Program, apresenta o novo trabalho em quarteto e fala sobre as reedições.

Podes contextualizar, explicar o percurso e as etapas do Space Program?
Quando saí do período de transição (entre 2002 e 2004) em que defini como iria funcionar a nova abordagem musical, tracei todo o plano de uma vez. Assumi um compromisso com um mapa de acção. Comecei por lançar Space, que serviu como enunciar de intenções e apresentação de matérias, sob a forma de uma orquestra electrónica em que eu toquei todos os instrumentos (excepto a participação de Sei Miguel e Fala Mariam). Depois duas séries de discos, uma de gravações a solo (Space Solo 1 e 2) e outra de composições minuciosas com colaboradores próximos como César Burago, Riccardo Dillon Wanke ou Manuel Mota, e convidados, como David Toop, Tatsuya Nakatani ou Evan Parker. Desta série resultaram os álbuns Space Elements I, II III. Ao vivo, estabeleci uma série de mapas de exploração de possibilidades em fraseado para cada instrumento a que chamei Space Studies, acho que foram oito. Mais tarde, comecei a dirigir formações cujo número indicava de quantas pessoas se compunha — o Space Collective, cuja aparição mais recente produziu o Moon Field. Estas formações tocavam num regime mais ou menos aberto quanto ao conteúdo das partes individuais mas estas eram cronometradas e aplicadas segundo uma partitura. Daí deu-se o salto para o Space Quartet, que opera de modo semelhante quanto aos materiais, mas cujas partes já são decididas autonomamente pelos músicos, sem partitura e sem sincronismo. No plano pedagógico, tenho oferecido o Space Program Workshop, dirigido a músicos de electrónica na óptica do hacking ou circuit bending, que trata não da tecnologia mas do que fazer com ela. Um trabalho sobre escuta, articulação e estruturação de discurso musical. Hoje, o programa discográfico está completo e encerrado, mas o trabalho que continuo a desenvolver cresce a partir do que fiz nestes últimos 15 anos.

Sobre este disco Space Quartet: porquê escolher este quarteto com estes músicos (Hugo Antunes, João Pais Filipe e Ricardo Webbens)?
O quarteto foi-se formando e é uma expansão do Space Trio. Estas formações são conceitos, ou seja, formações-tipo que funcionam com certos princípios. Com os anos de evolução do trabalho com o Ricardo Webbens, cuja intuição é surpreendente, pensei criar uma espécie de “secção” de electrónica com autonomia de ambas as vozes para fraseado solístico, o que já sabia ser muito arriscado. Desde que conheço o João Filipe sempre gostei muito da sua amplitude de movimentos, capaz de um free articulado com muita clareza (como tudo o que faz) como de um groove jazz-rock, ou de abrir espaços largos com os gongs e sinos ou de padrões que até lembram um estilo “industrial”. Para mim é importante esta capacidade de atravessar fronteiras de estilo com à-vontade, não numa óptica de hibridização mas de liberdade estilística. Exactamente o mesmo se aplica ao Hugo Antunes, ataque claro, som profundo e uma versatilidade enorme com espírito inventivo. O grupo funciona lindamente, e a primeira vez que tocou, materializou instantaneamente música que eu tinha na cabeça há anos!

[Fotografia: Vera Marmelo]

Este disco inclui quatro temas, que foram gravados em Lisboa (2), Porto e Coimbra. Que ideias quiseste transmitir com esta música?
É uma pergunta muito grande… Mas no fundo, a ideia sempre foi só uma. A de promover uma forma musical que servisse como metáfora para as múltiplas dimensões da noção de espaço na nossa vida. Nas relações pessoais, por exemplo, não só criamos espaço ouvindo o que o outro diz em vez de falar por cima, como por exemplo perguntando porque agiu de certo modo em vez de tirarmos conclusões apressadas. Isso é dar espaço. Ou como, estando distraídos em pé na soleira de uma porta estorvamos quem por ela quer passar (na verdade isso pode chamar-se “ruído no espaço”), em vez de escolhermos onde estar de modo a não perturbar a dinâmica dos movimentos. Isso é criar espaço. Mas também a asfixia do espaço mental, visual, aural, com o bombardeamento de mensagens, ideias, mentiras e requisitos de atenção, a falta de silêncio e de nada. Na música também se sente falta de espaço, não falo de géneros que se definem pela saturação do mesmo, mas daqueles em que os agentes podem decidir quando e como tocar. Aí o espaço traduz-se em silêncio e se há muitos músicos que têm uma maneira natural de o respirar, também os há para quem o silêncio é quase uma aberração. O silêncio é por isso a base e a chave de todo o Space Program, e da sua continuação sem nome. Também é central aqui a noção de agência e de autonomia, a capacidade de decidir e de assumir responsabilidade pelas decisões – o que se materializa no fraseado, que é uma noção tipicamente estranha à electrónica em geral. Quis então dar corpo à ideia que a electrónica pode ser mais orgânica e visceral, mais humana, sem se ter a si própria como assunto – tal como acontece naturalmente com o saxofone, por exemplo. Por isso ainda existe “música electrónica” mas não existe “música de saxofone”. A música electrónica precisa de querer ser só “música”. Mas enfim, tendo percebido que a música que queria fazer tinha um modo de funcionar muito semelhante ao do jazz, acabei por chegar a esta forma – olhando o jazz como ponto de chegada – o que a meu ver torna esta formação peculiar, porque em toda a história da electrónica no jazz, este é o ponto de partida. Porém falamos de um eixo, que a música viaja por outros territórios…

Este é o ultimo disco do Space Program? Serão editados mais discos, que já tenham sido gravados previamente?
O último disco do Space Program, em rigor, foi o Space Solo 2. Desde aí já saíram Moon FieldSaturn e Space Quartet, todos eles claros “herdeiros” dessa linhagem, mas, cada um a seu modo, já imbuídos de um espaço de liberdade que aponta noutras direções, agora que já não estou obrigado à disciplina das séries. Ou seja, há continuidade, não há nenhum claro “pós-Space Program”, apenas estes discos já estão fora da estrutura que descrevi acima. Estou agora a finalizar a masterização de um disco em trio com Jim Baker e Steve Hunt, gravado em Chicago, e antes desse ainda deverá sair outro trio também de Chicago, com Tim Daisy e Mars Williams. E tenho mais discos novos na cabeça do que tempo para os gravar…

Fora do Space Program: acabam de ser reeditados dois discos pela Drag City, Wave Field e Sound Mind Sound Body, e vais apresentar ao vivo o Wave Field. Como vês estas reedições? E o que podemos esperar desta apresentação ao vivo? 
São muito oportunas, foi uma oportunidade muito grata para revisitar e rever aqueles trabalhos. O Sound Mind Sound Body, tendo tido que ser um LP duplo, ficou com espaço no lado D por utilizar, e decidi gravar pela primeira vez em estúdio uma peça da época (1988), a AE 2. Foi um trabalho profundo, as capas foram feitas de novo e estão finalmente conseguidas a 100%. É uma sensação muito gratificante olhar para trás e ver que coisas que fiz com vinte e poucos anos cresceram no tempo, ganharam dimensão e significado histórico, e envelheceram, felizmente, muito bem. Ou nem envelheceram, soam frescas, já alguém escreveu… O Wave Field também parece continuar a ser um objecto ímpar, e parece-me muito feliz o desafio para o revisitar. Estou a preparar uma reformulação da peça, a partir das pistas originais mas com tratamentos novos embora alinhados com a sua identidade e objectivo. Além disso, essa expansão no tempo também o será no espaço, com uma distribuição em surround numa configuração hexagonal. Não vou tocar guitarra nem haverá vídeo, como antes, vou operar a espacialização na mesa, e espero que dentro do hexágono aconteça magia.

Quais são agora os teus planos? 
Tenho que conseguir realizar os projectos que tenho em mente, para lá do que já enumerei… mais trabalho com o Space Quartet, eventualmente com novas formulações, e também novos projectos que vejo como abrindo espaço a dados vindos da minha experiência mais antiga com música ambient, o que também é um ajustamento ao tempo que vivemos agora. Sinto que precisamos de parar mais.