Revelado programa do Jazz no Parque

Em Julho vai realizar-se mais uma edição do ciclo Jazz no Parque em Serralves, no Porto. Para esta 26ª edição, o programador Rui Eduardo Paes propõe formações inéditas resultantes do encontro entre músicos nacionais e estrangeiros. Assim, o campo de ténis do Parque de Serralves vai acolher três concertos em estreia absoluta: a 2 de julho o ciclo arranca com a versão aumentada do grupo Spinifex, aqui transformado em “Spinifex Plus”: Tobias Klein, John Dikeman, Francisco Andrade, João Martins, Bart Maris, Luís Vicente, Eduardo Lála, Gil Gonçalves, Jasper Stadhouders, Gonçalo Almeida e Phillip Moser; a 9 de julho o saxofonista Rodrigo Amado estreia um novo Quarteto com músicos noruegueses: Thomas Johansson, Jon Rune Strøm e Gard Nilssen; e a 16 de julho a veterana Joelle Léandre actua acompanhada com cinco improvisadoras nacionais: Maria Radich, Susana Santos Silva, Maria do Mar, Joana Guerra e Angelica V. Salvi. Os concertos arrancam sempre às 18h00.

http://bodyspace.net/ultimas/80848-revelado-programa-do-jazz-no-parque/

Disco: “Gledalec” de Kaja Draksler Octet

Kaja Draksler Octet
“Gledalec”
(Clean Feed, 2017)

Nos últimos anos a jovem pianista eslovena Kaja Draksler vem construindo um percurso sólido, afirmando-se como notável instrumentista e improvisadora. No disco “The Lives of Many Others”, registo de piano solo editado em 2013, Draksler revelava desde logo a sua amplitude expressiva: orientação jazzística com ligação à música clássica e à improvisação. A parceria com a trompetista portuense Susana Santos Silva, duo registado no disco “This Love” (2015), veio reforçar esta ideia de se tratar de uma pianista de horizontes largos.

Agora a eslovena abraça um ambicioso projecto orquestral. “Gledalec”, edição Clean Feed, é um disco duplo que parte da composição e arranjos de Draksler para criar uma música original que atravessa múltiplos universos. Por vezes entramos num puro registo operático, outras vezes ouve-se música de câmara cristalina, mas há também há momentos de improvisação suja, exploração e desafio.

Texto completo no site Bodyspace:
http://bodyspace.net/discos/3154-gledalec/

Disco: “Directions” de João Barradas

João Barradas
“Directions”
(Inner Circle / Nischo, 2017)

Conquistou fama de virtuoso, acumulou prémios como instrumentista desde muito jovem, rapidamente conquistou o mundo pela facilidade com que domina o instrumento. Se a tarefa já não era fácil com qualquer outro instrumento mais convencional, o feito ganha maior dimensão uma vez que João Barradas trabalha um instrumento raro, o acordeão. Chegado à vida adulta, Barradas aventura-se no mundo do jazz e estreia-se na condição de líder ao leme de um grupo fortíssimo.

Neste disco de estreia, o jovem Barradas conta com a companhia de um grupo que junta três nomes incontornáveis da cena jazz portuguesa (João Paulo Esteves da Silva no piano, André Fernandes na guitarra e Bruno Pedroso na bateria) e um músico da mesma geração (André Rosinha no contrabaixo). O disco conta ainda com a participação de três convidados especialíssimos: o saxofonista Greg Osby (referência mundial do jazz), a cantora Sara Serpa (a portuguesa que está a conquistar a cena jazz de Nova Iorque) e Gil Goldstein (referência mundial do acordeão no jazz contemporâneo). Por sua vez, o líder Barradas serve-se não só do tradicional acordeão clássico, como usa também o acordeão Midi – com um som próximo de teclados elétricos.

Nesta estreia o jovem João Barradas apresenta um conjunto de temas originais, composições que funcionam como retrospetiva do seu passado (e refletem a sua evolução como músico), como expressam também a sua vontade de se afirmar pela diferença.

Texto completo no site Bodyspace:
http://bodyspace.net/discos/3153-directions/

Ao vivo: 15ª Festa do Jazz do São Luiz

Reportagem fotográfica: Rosa Castro

A 15ª edição do festival organizado pela Sons da Lusofonia juntou as várias cores que o jazz tem nos dias de hoje em Portugal, indo do hard bop dos Michael Lauren All Stars até à Lisbon Freedom Unit, com ambiciosas propostas de permeio como o Omniae Ensemble de Pedro Melo Alves, os Home de João Barradas ou o projecto Dentro da Janela de João Mortágua. Balanço mais do que positivo. (…)

Reportagem, escrita a meias com Rui Eduardo Paes, no site Jazz.pt:
http://jazz.pt/report/2017/04/13/todas-cores/

Exposição “Jazz Images” na Fnac Chiado

Assinalando o Dia Internacional de Jazz, que se celebra a 30 de Abril, a Fnac Chiado, em Lisboa, vai acolher uma exposição de fotografia de Jean-Pierre Leloir. A exposição “Jazz Images” reúne um conjunto de trabalhos de Leloir (1930-2010), fotógrafo que registou muitos dos grandes nomes do jazz. A exposição será inaugurada no dia 26 de Abril, às 18:30, e vai contar com a presença de Marion Leloir, filha do fotógrafo.

20 discos de jazz português do Século XXI

Olhando em retrospectiva, percebemos que o jazz português tem vivido tempos riquíssimos nestas duas décadas do século XXI. Entre nomes consagrados e jovens revelações, são muitos os músicos que têm definido a história do jazz nacional ao longo destes últimos anos, apresentando músicas originais e inesquecíveis, e muitos deles conquistando também atenção internacional. Aqui fica uma selecção – inevitavelmente pessoal – de 20 discos que têm marcado a cena jazz portuguesa contemporânea.  LER MAIS

Uma nova forma do jazz

Bem-vindo/a a este novo site aformadojazz.com. Repesquei o nome do blog que criei em 2003 e que marcou o início do meu percurso a escrever sobre música. Apesar da manter o nome (a explicação está num texto ali ao lado), este novo site não vai ser um novo blog, o site vai sobretudo servir de depósito/arquivo dos textos dispersos que escrevo e vou continuar a publicar no Público (Ípsilon) e nos sites Jazz.pt e Bodyspace. Os temas centrais, como sempre, são o jazz, a improvisação e todas as músicas à volta. A foto do cabeçalho é o gira-discos lá de casa a tocar o álbum “Together Again” de Bill Evans & Tony Bennett. Sugestões, e comentários são bem-vindos (por aqui). Obrigado pela visita!

Festa do Jazz regressa ao São Luiz


Bruno Pernadas [Foto: Vera Marmelo]

Está a chegar mais uma edição da Festa do Jazz do São Luiz, que se realiza nos dias 7, 8 e 9 de Abril. Nesta 15ª edição o Teatro Municipal São Luiz, em Lisboa, volta a reunir várias gerações do jazz nacional, apresentando propostas de diferentes linhas estéticas. O programa geral mantém o formato habitual: concertos na noite de sexta e durante as tardes e noites de sábado e domingo. Há ainda os habituais concertos das escolas no Jardim de Inverno, durante as tardes de sábado e domingo, com entrada livre. O programa cruza jovens talentos com nomes consagrados e da vasta lista de concertos destacam-se: o projecto Home (liderado pelo acordeonista virtuoso João Barradas), Bruno Pernadas (a apresentar Worst Summer Ever), Omniae Ensemble (novo projecto do baterista e compositor Pedro Melo Alves, membro do The Rite of Trio) e Pedro Neves Trio. Há também improvisação pura, representada por dois dos projectos mais representativos da cena nacional: Clocks and Clouds e Lisbon Freedom Unit – um mega-grupo que junta Rodrigo Amado, Luís Lopes, Rodrigo Pinheiro, Ricardo Jacinto, Pedro Sousa, Bruno Parrinha, Pedro Lopes, Hernâni Faustino e Gabriel Ferrandini.

Programa completo no site Bodyspace.net:
http://bodyspace.net/ultimas/80749-festa-do-jazz-regressa-ao-sao-luiz/