Valença acolhe ciclo de jazz


Mariana Vergueiro

Nos meses de Janeiro, Fevereiro e Março realiza-se em Valença um ciclo de jazz, apresentando dois concertos por mês. O Ciclo de Jazz de Valença terá lugar entre a Quinta do Caminho e o Auditório CILV e o programa é assegurado exclusivamente por músicos ligados à Porta-Jazz: Alexandre Coelho, Mariana Vergueiro, Renato Dias, MAP, Luis Lapa & Pé de Cabra e Miguel Ângelo. Os concertos começam sempre às 21h30 e têm entrada livre. Aqui fica o programa completo.

3 Jan: Alexandre Coelho Quarteto (Quinta do Caminho)
27 Jan: Mariana Vergueiro Quarteto (Auditório CILV)
10 Feb: Renato Dias Trio (Quinta do Caminho)
17 Feb: MAP (Quinta do Caminho)
10 Mar: Luis Lapa & Pé de Cabra Quinta do Caminho
24 Mar: Miguel Ângelo Quarteto (Auditório CILV)

Sirius apresentam disco de estreia na ZDB

[Fotografia: Vera Marmelo]

Sirius é um duo que junta o trompete de Yaw Tembe com a percussão de Monsieur Trinité (que se considera “manipulador de objectos diversos”). O duo trabalha uma música improvisada e acaba de publicar o seu disco de estreia, “Acoustic Main Suite plus The Inner One“, editado pela Clean Feed. Assinalando a edição do disco, a dupla apresenta-se ao vivo na Galeria ZDB no próximo dia 17 de Janeiro (bilhetes a 6€).

O projecto, que rouba o nome a um disco de Coleman Hawkins, nasceu quando Trinité se juntou como convidado ao projecto a solo de Yaw, “Círculo de 3Pontas”. Conta o trompetista: “Vimos que havia potencial para criarmos algo de raiz e desde cedo sentimos a necessidade em seguirmos por um processo de depuração dos sons ao encontro de fundamentos básicos da matéria, do sopro e do gesto”.

O disco agora editado é o resultado de um longo caminho, como confessa Yaw: “Durante estes seis anos passamos por diversos estados (acústico, electrónico, utilização de samples) e recentemente constatamos que apesar dessas mudanças a identidade do duo sempre se manteve. The Inner Suite… é assim um eco dessas mudanças, tendo ela também ocorrido num tempo bastante próprio e singular.”

Conta Monsieur Trinité: “O disco foi gravado no Panteão Nacional pelo sonoplasta e músico Tiago Varela, tendo sido editado no Namouche com produção de Sei Miguel e Joaquim Monte, tendo também participado o sonoplasta Cristiano Nunes.” Segundo Yaw, Sei Miguel “foi como que um terceiro elemento de Sirius, paciente e minucioso na escuta”.

O duo Sirius apresenta-se ao agora vivo na ZDB, celebrando a edição do disco. Sobre o concerto, Trinité não faz previsões, mas diz que “vai depender do humor do dia e da psicogeografia do espaço”.

El Intruso: 10th Annual Critics Poll

Fui mais uma vez convidado a participar na votação anual do site El Intruso, que reúne as escolhas de 58 críticos de jazz e música improvisada de diversos países. Aqui estão os resultados finais:

Músico do ano: Wadada Leo Smith
Músico revelação: Jaimie Branch
Grupo do ano: Vijay Iyer Sextet
Grupo revelação: Irreversible Entanglements
Disco do ano: “Far From Over” – Vijay Iyer Sextet (ECM)

Votações completas no site El Intruso:
http://elintruso.com/2018/01/05/encuesta-2017-periodistas-internacionales/

Trio The Selva em tour

O trio The Selva vai arrancar o ano novo com uma digressão que vai passar por Portugal e pela Galiza.​ O trio de Ricardo Jacinto (violoncelo), Gonçalo Almeida (contrabaixo) e Nuno Morão (bateria) trabalha uma música abertamente improvisada e lançou o seu disco de estreia no ano passado, com edição Clean Feed. Em Portugal esta tour vai passar por Lisboa, Porto, Braga, Viseu e São Gregório (Caldas da Rainha). Aqui fica a agenda completa do trio.

4 Jan: Sabotage, Lisboa
5 Jan: Sonoscopia, Porto
6 Jan: Liceo Mutante, Pontevedra
7 Jan: Bétun, Tui
12 Jan: gnration, Braga
13 Jan: Carmo 81, Viseu
14 Jan: Osso, São Gregório (Caldas da Rainha)

Bodyspace: Melhores momentos do ano

Concerto do ano: a inesquecível actuação do quinteto Life and Other Transient Storms no Jazz em Agosto, projecto liderado pela trompetista Susana Santos Silva.

A estrondosa estreia de João Barradas em dose dupla: com o disco “Directions” e com o grupo Home.

A confirmação da excelente dupla João Hasselberg & Pedro Branco, com o disco “From Order to Chaos” e um concerto memorável na SMUP.

O regresso ao Angrajazz, com concertos magníficos (Jon Irabagon, Ensemble Super Moderne, Matt Wilson) e mergulhos no mar dos Açores.

A edição em vinil de “Slow” de Minta & The Brook Trout (que a cada audição se aproxima da perfeição) e o concerto de apresentação na ZDB.

Mais uma boa edição do festival JIGG, óptima improvisação nos fins de tarde de verão, especialmente o concerto do Liquid Trio de Agustí Fernandez, Albert Cirera e Ramon Prats.

Ouvir as canções imaculadas de Marisa Monte pela voz de Silva no Rio de Janeiro.

A actuação épica (já foram tantas) de Evan Parker em Braga, no GNRation.

O grande regresso de João Paulo Esteves da Silva: o excelente “Brightbird” e a estreia do duo Silent Words (com Afonso Pais), além de múltiplas colaborações.

As sessões de culto no Nimas e a oportunidade de ver o belíssimo “One from the Heart” no grande ecrã, recordando a banda-sonora perfeita de Tom Waits.

Artigo completo no site Bodyspace:
http://bodyspace.net/artigos/302-os-melhores-momentos-de-2017/

Disco: “Kill the Boy” de João Espadinha

João Espadinha
“Kill the Boy”
(Sintoma, 2017)

Natural de Lisboa, João Espadinha é um jovem guitarrista com formação académica consolidada. Passou pela Escola de Jazz Luiz Villas-Boas do Hot Clube (estudou com guitarristas como Afonso Pais, André Fernandes e Bruno Santos) e frequentou o Conservatório de Amesterdão, onde concluiu a licenciatura em guitarra jazz. Espadinha apresenta agora o seu disco de estreia.

Nesta sua estreia discográfica na condição de líder Espadinha chefia um sexteto onde a sua guitarra eléctrica conta com a companhia de Bruno Calvo (trompete), Nicolo Ricci (saxofone tenor), João Pedro Coelho (piano), Giuseppe Romagnoli (contrabaixo) e Andreu Pitarch (bateria). O disco conta ainda com duas cantoras convidadas: Mariana Nunes, no tema “6th Floor”, e Joana Espadinha na última faixa.

O título do disco, Kill the Boy, é uma citação gamada ao livro A Feast For Crows de George R. R. Martin, um dos livros que sustenta a série Game of Thrones. Para o autor o título representa uma metáfora para “a entrada na vida adulta e remete para a transição difícil de sair da escola e de entrar no mercado de trabalho, no mundo real”. (…)

Texto completo no site Bodyspace:
http://bodyspace.net/discos/3243-kill-the-boy/

Ricardo Toscano actua com Orquestra de Jazz de Espinho

O saxofonista Ricardo Toscano vai abrir o ano novo actuando como convidado da Orquestra de Jazz de Espinho. Com direcção musical de Daniel Dias e Paulo Perfeito, o espectáculo “A voz do alto” vai revisitar o repertório de lendas do saxofone como Jonnhy Hodges, Charlie Parker, Cannonball Adderley, Art Pepper e Ornette Coleman. A orquestra actua no Auditório de Espinho a 5 de Janeiro e no Teatro Municipal de Bragança no dia seguinte, dia 6.

Disco: “Timeless” de Marcelo dos Reis & Eve Risser

Marcelo dos Reis & Eve Risser
“Timeless”
(JACC, 2017)

O guitarrista português Marcelo dos Reis conseguiu afirmar-se nos últimos anos como um dos mais activos e interessantes exploradores da guitarra acústica no campo da música improvisada. Nos últimos anos tem repartido a sua atenção entre o formato solo (editou neste ano de 2017 o óptimo “Cascas”) e, sobretudo, em diversos projectos em colaboração com músicos nacionais e estrangeiros: Fail Better!, Chamber 4, In Layers, Pedra Contida (com disco recente, “Amethyst”) e Staub Quartet (Carlos Zíngaro, Miguel Mira e Hernâni Faustino, atenção a este disco!), entre outros.

Agora, Reis regressa ao formato duo, num registo próximo do memorável disco “Concentric Rinds”, gravado com a harpista Angélica V. Salvi. Aqui a sua parceira é a francesa Eve Risser, pianista de recursos vastos que se fez notar com o trio En Corps e, mais recentemente, tem trabalhado em projectos distintos como a sua White Desert Orchestra (actuou no Jazz em Agosto 2016) e o duo com a pianista eslovena Kaja Draksler (disco “To Pianos” editado pela Clean Feed). (…)

Texto completo no site Bodyspace:
http://bodyspace.net/discos/3242-timeless/

Jazz.pt: Melhores de 2017

Melhores Discos Internacionais
Vijay Iyer Sextet: “Far From Over” (ECM)
The Thing & James Blood Ulmer: “Baby Talk” (Trost)
Kamasi Washington: “Harmony of Difference” (Young Turks)
Cortex: “Avant-Garde Party Music” (Clean Feed)
Ambrose Akinmusire: “A Rift in Decorum” (Blue Note)
Matt Mitchell: “A Pouting Grimace” (Pi)
Eve Risser / Kaja Draksler: “To Pianos” (Clean Feed)
Maciej Obara Quartet: “Unloved” (ECM)
Colin Stetson: “All This I Do For Glory” (52Hz)
Ralph Towner: “My Foolish Heart” (ECM)
Tyshawn Sorey: “Verisimilitude” (Pi Recordings)
Jaimie Branch: “Fly or Die” (International Anthem)
DeJohnette / Grenadier / Medeski / Scofield: “Hudson” (Motema)
Rob Mazurek: “Chants and Corners” (Clean Feed)
Charles Lloyd New Quartet: “Passin’ Thru” (Blue Note)
Aki Takase / David Murray: “Cherry Sakura” (Intakt)
Craig Taborn: “Daylight Ghosts” (ECM)
Nicole Mitchell: “Mandorla Awakening II” (FPE)
Peter Brötzmann / Heather Leigh: “Sex Tape” (Trost)
Anouar Brahem: “Blue Maqams” (ECM)  Continue reading “Jazz.pt: Melhores de 2017”

Lx Jazz Sessions continuam em Janeiro

As Lx Jazz Sessions, que em Dezembro ressuscitaram no Rive Rouge, vão agora continuar. A programação para o mês de Janeiro já está fechada e apresenta um conjunto de nomes verdadeiramente históricos do jazz português: a cantora Maria João, os contrabaixistas Carlos Barretto e Carlos Bica e os pianistas Mário Laginha e João Paulo Esteves da Silva. Aqui fica a programação completa.

3 Jan: Maria João “Ogre”
10 Jan: Carlos Barretto “Lokomotiv”
17 Jan: Carlos Bica Trio
24 Jan: Mário Laginha Trio
31 Jan: João Paulo Esteves da Silva Trio