Pedro Marques apresenta disco de estreia

O guitarrista Pedro Marques prepara-se para editar o seu primeiro álbum, “Building Walls With Sound”. Marques trabalha uma música próxima do rock progressivo, assumindo também influências jazzísticas. Antecipando a sua estreia discográfica, Pedro Marques apresenta-se.

Pode apresentar o seu percurso na música?
Aos doze anos alguns colegas meus começaram a ter aulas de guitarra clássica. Não sei explicar a razão, mas o instrumento fascinou-me desde o primeiro momento em que peguei numa. Estupidamente, na altura tive vergonha de pedir uma guitarra aos meus pais. Só mais tarde, com dezassete, após um amigo me ter deixado assistir a uma das suas aulas, é que resolvi comprar uma muito barata. Mostrou-me alguns acordes; a sensação de conseguir reproduzir uma coisa que antes me parecia inacessível tornou-se viciante. Tive algumas bandas de garagem, mas nunca passavam dos primeiros ensaios porque o nível de compromisso entre nós nunca era o mesmo. Já na faculdade, comecei a dar aulas de guitarra, usando o dinheiro para começar a dar os primeiros passos na produção musical. De forma mais ou menos intermitente, as aulas têm sido, para já, a minha principal ligação à música.

Influências determinantes para a sua própria música?
O meu primeiro grande ídolo foi o Slash dos Guns N’ Roses; aliás, no princípio não ouvia mais nada sem ser Guns e Metallica de manhã à noite. Depois, enquanto os Radiohead me ensinavam como organizar diferentes timbres por camadas, Paganini mostrava-me como se pode ser virtuoso sem descurar o sentido estético e a escolha de notas. Steve Vai e Gonçalo Pereira foram outras influências muito importantes nos primeiros anos. Continue reading “Pedro Marques apresenta disco de estreia”