El Intruso: 10th Annual Critics Poll

Fui mais uma vez convidado a participar na votação anual do site El Intruso, que reúne as escolhas de 58 críticos de jazz e música improvisada de diversos países. Aqui estão os resultados finais:

Músico do ano: Wadada Leo Smith
Músico revelação: Jaimie Branch
Grupo do ano: Vijay Iyer Sextet
Grupo revelação: Irreversible Entanglements
Disco do ano: “Far From Over” – Vijay Iyer Sextet (ECM)

Votações completas no site El Intruso:
http://elintruso.com/2018/01/05/encuesta-2017-periodistas-internacionales/

Trio The Selva em tour

O trio The Selva vai arrancar o ano novo com uma digressão que vai passar por Portugal e pela Galiza.​ O trio de Ricardo Jacinto (violoncelo), Gonçalo Almeida (contrabaixo) e Nuno Morão (bateria) trabalha uma música abertamente improvisada e lançou o seu disco de estreia no ano passado, com edição Clean Feed. Em Portugal esta tour vai passar por Lisboa, Porto, Braga, Viseu e São Gregório (Caldas da Rainha). Aqui fica a agenda completa do trio.

4 Jan: Sabotage, Lisboa
5 Jan: Sonoscopia, Porto
6 Jan: Liceo Mutante, Pontevedra
7 Jan: Bétun, Tui
12 Jan: gnration, Braga
13 Jan: Carmo 81, Viseu
14 Jan: Osso, São Gregório (Caldas da Rainha)

Disco: “Timeless” de Marcelo dos Reis & Eve Risser

Marcelo dos Reis & Eve Risser
“Timeless”
(JACC, 2017)

O guitarrista português Marcelo dos Reis conseguiu afirmar-se nos últimos anos como um dos mais activos e interessantes exploradores da guitarra acústica no campo da música improvisada. Nos últimos anos tem repartido a sua atenção entre o formato solo (editou neste ano de 2017 o óptimo “Cascas”) e, sobretudo, em diversos projectos em colaboração com músicos nacionais e estrangeiros: Fail Better!, Chamber 4, In Layers, Pedra Contida (com disco recente, “Amethyst”) e Staub Quartet (Carlos Zíngaro, Miguel Mira e Hernâni Faustino, atenção a este disco!), entre outros.

Agora, Reis regressa ao formato duo, num registo próximo do memorável disco “Concentric Rinds”, gravado com a harpista Angélica V. Salvi. Aqui a sua parceira é a francesa Eve Risser, pianista de recursos vastos que se fez notar com o trio En Corps e, mais recentemente, tem trabalhado em projectos distintos como a sua White Desert Orchestra (actuou no Jazz em Agosto 2016) e o duo com a pianista eslovena Kaja Draksler (disco “To Pianos” editado pela Clean Feed). (…)

Texto completo no site Bodyspace:
http://bodyspace.net/discos/3242-timeless/

Fred Frith no Salão Brazil

O Salão Brazil, de Coimbra, acabou de revelar a programação para o primeiro trimestre de 2018. O espaço da baixa coimbrã vai receber vinte concertos nos primeiros três meses do ano e o destaque obrigatório vai para o concerto do guitarrista Fred Frith no dia 17 de Fevereiro (data única em Portugal). O programa inclui actuações de KABAS (4 Janeiro), Ricardo Formoso Quarteto (26 Janeiro), Alexandre Coelho Quarteto (17 Março) e Insalata Statica (de Giovanni Di Domenico, 2 Fevereiro). Além do jazz, a programação inclui concertos de Six Organs of Admittance, Mdou Moctar e Boogarins, entre outros.

Solilóquios revela programação para 2018

Hamid Drake

O ciclo Solilóquios tem apresentado concertos a solo no Porto desde Fevereiro de 2017. Os concertos têm lugar no espaço Yoga sobre o Porto e ao longo deste ano realizaram-se 22 concertos, apresentado nomes internacionais como Peter Evans, Joëlle Leandre, Arild Andersen, Rob Mazurek ou Dominique Pifarély e nomes nacionais de relevo como João Guimarães, André Matos, João Barradas e Miguel Ângelo.

Para o ano de 2018 estão já confirmados vários nomes grandes ligados ao jazz e à improvisação e em Fevereiro será assinalado o 1º aniversário do Solilóquios, apresentando três concertos ao longo de três dias. Aqui fica a programação confirmada até ao momento.

27 Jan: Stephan Micus
16 Fev: Barry Guy
17 Fev: Joe Morris
18 Fev: Pedro Melo Alves
25 Mar: Theo Bleckmann
2 Abr: Hamid Drake
21 Abr:  Julius Gabriel

Disco: “I think I’m going to eat dessert” de Miguel Ângelo

Miguel Ângelo
“I think I’m going to eat dessert”
(Creative Sources, 2017)

Contrabaixista ligado à cena Porta-Jazz, Miguel Ângelo tem participado em alguns dos projectos mais interessantes do jazz nortenho contemporâneo, como o Ensemble Super Moderne, o quarteto MAP ou o Pedro Neves Trio (um dos melhores grupos do jazz nacional, que tem passado despercebido a quase toda a gente). Na qualidade de líder, Miguel Ângelo editou em 2013 o seu disco de estreia, “Branco”, e já em 2016 editou “A Vida de X”, momento de confirmação – ambos os discos gravados ao leme de um quarteto que inclui o saxofonista João Guimarães.

Agora, o contrabaixista aventura-se agora num projecto de contrabaixo solo. Se o formato solo já é arriscado para qualquer músico, mais ainda será para um instrumento com as características do contrabaixo, habitualmente remetido (e limitado) ao papel de acompanhamento rítmico. Não são muitos os casos de aventuras de contrabaixo a solo, e muito menos no panorama nacional. Recordamos os casos – já históricos – de “Solo Pictórico” de Carlos Barretto e de “Single” de Carlos Bica (edição da saudosa Bor Land). (…)

Texto completo no site Bodyspace:
http://bodyspace.net/discos/3241-i-think-i%E2%80%99m-going-to-eat-dessert/

Disco: “Fragments of Always” de José Lencastre Nau Quartet

José Lencastre Nau Quartet
“Fragments of Always”
(FMR, 2017)

Para aquele que será o seu projecto de assinatura mais pessoal, o saxofonista e improvisador reuniu um quarteto de luxo com alguns dos mais notáveis improvisadores nacionais. Na bateria está João Lencastre, seu irmão, baterista e compositor de créditos firmados com uma discografia sólida ao leme do grupo Communion, que também acaba de editar o disco “Movements In Freedom” (Clean Feed). No piano está Rodrigo Pinheiro, pianista do celebrado RED Trio, membro dos grupos Earnear e Clocks and Clouds, e que este ano participou como convidado no concerto Life and Other Transient Storms no Jazz em Agosto (melhor concerto do festival, um dos melhores concertos do ano). No contrabaixo está Hernâni Faustino, também do RED Trio e membro dos grupos Falaise, Rodrigo Amado Wire Quartet, Staub Quartet, Vítor Rua & The Metaphysical Angels, Elliott Levin’s Lisbon Connection e Nobuyasu Furuya Trio, entre outros. Todos músicos experientes e com trabalho rico no mundo da improvisação, portanto. (…)

Texto completo no site Bodyspace:
http://bodyspace.net/discos/3237-fragments-of-always/

Gonçalo Almeida a solo na SMUP

Antecipando a consoada, Gonçalo Almeida vai apresentar um concerto a solo na SMUP (Parede), no dia 23 de Dezembro. O versátil contrabaixista português reside actualmente em Roterdão e integra os grupos LAMA, Albatre, Tetterapadequ e Spinifex, entre outras parcerias e colaborações. Na SMUP irá apresentar-se sozinho em palco, acompanhado apenas pelo seu contrabaixo. O concerto tem início marcado para as 22h00 e a entrada vale 4€.

https://cylinderecordings.bandcamp.com/track/monologue

ZDB estreia quarteto inédito

Gabriel Ferrandini e Luís Lopes [Fotografia: Vera Marmelo]

A Galeria ZDB, em Lisboa, vai promover a estreia de um quarteto inédito de improvisadores. O grupo vai reunir três nomes fundamentais da cena improv portuguesa – Rodrigo Amado (saxofones), Luís lopes (guitarra) e Gabriel Ferrandini – com o norte-americano Fred Lonberg-Holm (violoncelo). O concerto está agendado para o dia 8 de Dezembro, às 22h. Os bilhetes custam 8€ e estão à venda na Flur Discos, Tabacaria Martins e ZDB (reservas@zedosbois.org).

Joe McPhee e Paal Nilssen-Love na ZDB

A dupla Joe McPhee & Paal Nilssen-Love vai apresentar-se ao vivo na Galeria  ZDB, em Lisboa, no dia 6 de Dezembro. O lendário multi-instrumentista americano e o baterista norueguês, que acabam de editar a box “Candy” (7 discos!), regressam à ZDB para  mais uma sessão de improvisação old school. Os bilhetes custam 8€ e estão disponíveis na Flur Discos, Tabacaria Martins e ZDB (reservas@zedosbois.org).