Artigo: Guilherme Rodrigues x 3

[Fotografia: Kezzyn Andrey]

Tem sido difícil acompanhar todo o material publicado pela editora Creative Sources, a editora portuguesa que se tem afirmado internacionalmente na área da improvisação livre. Fundada no ano de 2001, da iniciativa de Ernesto Rodrigues (viola d’arco), a editora tem não só documentado o percurso do fundador, como vem publicando registos de músicos que vêm definido a música improvisada no século XXI: Tetuzi Akiyama, Oren Marshall, Rhodri Davies, Axel Dörner, Peter Evans, Franz Hautzinger, Radu Malfatti, Jean-Luc Guionnet ou Martin Küchen.

Com cerca de quinhentos discos editados(!), a editora tem sido também fundamental a documentar a produção dos improvisadores portugueses, tendo editado trabalhos de Manuel Mota, Sei Miguel, Luís Lopes, Carlos Santos, Paulo Chagas, Miguel Ângelo, Abdul Moimême, Hernâni Faustino e Nuno Torres, entre outros.

Filho de Ernesto, o violoncelista Guilherme Rodrigues (n. 1988) tem seguido as pisadas do pai e vem construindo um sólido percurso na música improvisada entre Lisboa e Berlim. Já participou em mais de quarenta discos, muitos deles em parceria com o pai, e vem trabalhando a sua própria história. Entre o final de 2017 e o início deste ano de 2018 foram publicados estes três discos que contam com a participação de Guilherme Rodrigues: “Zweige”, “As we read along…” e “Laura” – todas edições da Creative Sources. (…)

Artigo completo no site Bodyspace:
http://bodyspace.net/artigos/306-guilherme-rodrigues-x-3/

Vem aí super-quarteto: Ferrandini / Parker / Sandell / Dörner


[Fotografia: Márcia Lessa]

O baterista Gabriel Ferrandini vai estrear um novo quarteto, um super-grupo que junta gigantes da improvisação europeia. A acompanhar Ferrandini estarão Evan Parker (saxofones), Sten Sandell (piano) e Axel Dörner (trompete). O quarteto apresenta-se ao vivo em Portugal em duas datas: no dia 10 de Maio no Teatro Viriato, em Viseu, e no dia 11 na Culturgest, em Lisboa (ciclo “Isto é jazz?”​, ​comissariado por Pedro Costa).

Anthony Braxton no Solilóquios

Vem aí bomba: o saxofonista Anthony Braxton acaba de ser confirmado no ciclo Solilóquios no Porto. Braxton irá actuar no dia 4 de Junho, numa actuação em duo com a harpista Jacqueline Kerrod (um duo que é uma excepção neste ciclo de concertos a solo). Além deste concerto, para os próximos tempos foram já anunciadas as actuações de Hamid Drake, Otomo Yoshihide e Nicole Mitchell, entre outros. Aqui fica a agenda confirmada até ao momento. Os concertos terão sempre lugar no espaço Yoga sobre o Porto.

25 Mar: Theo Bleckmann
2 Abr: Hamid Drake
11 Abr: Steve Swell
21 Abr: Julius Gabriel
5 Mai: Angelica V. Salvi
27 Mai:  Otomo Yoshihide / Chris Pitsiokos (solo+solo+duo)
31 Mai: Jen Shyu
4 Jun: Anthony Braxton & Jacqueline Kerrod (duo)
29 Out: Nicole Mitchell

The Selva de volta aos concertos

O trio The Selva está de volta para mais concertos. Depois da última tour, que incluiu uma residência no gnration para gravação de um novo álbum, o grupo  de Ricardo Jacinto, Gonçalo Almeida e Nuno Morão vai agora apresentar-se ao vivo em dose dupla. No dia 15 de Março o trio actua no Damas, em Lisboa; no dia seguinte, 16, actua no Cantinho da Tuna, em Sintra. Para estes concertos está prometida a apresentação de material novo.

Clocks and Clouds na SMUP

O quarteto Clocks & Clouds vai actuar na SMUP, na Parede, na próxima sexta-feira, dia 9 de Março. O grupo junta Luís Vicente (trompete), Rodrigo Pinheiro (piano), Hernâni Faustino (contrabaixo) e Marco Franco (bateria), numa espécie de equipa “all-star” da improvisação nacional. O quarteto editou o seu disco de estreia, homónimo, pela editora inglesa FMR Recordings em 2014, e está agora de regresso para uma rara apresentação ao vivo. O concerto tem início marcado para as 22h00 e os bilhetes custam 5€ (4€ para sócios SMUP).

Oba Loba na ZDB

[Fotografia: Vera Marmelo]

O grupo Oba Loba, de Norberto Lobo e João Lobo, vai apresentar-se ao vivo na Galeria Zé dos Bois no próximo dia 17 de Março. O grupo editou no ano passado o disco “Sir Robert Williams” pela Three:four records. O grupo é agora um sexteto e na ZDB João e Norberto irão contar com a companhia de Giovanni Di Domenico, Ananta Roosens, Jordi Grognard e Lynn Cassiers.

Documentário sobre Milford Graves no IndieLisboa

O festival de cinema IndieLisboa aproxima-se e acaba de ser anunciada a programação do IndieMusic, a secção do festival dedicada à música. Um dos filmes que vai ser exibido na secção é o documentário “Milford Graves Full Mantis”, filme de Jake Meginsky e Neil Young sobre o criativo percussionista Milford Graves.  A secção IndieMusic vai ainda apresentar os filmes: “Betty – They Say I’m Different” (Phil Cox), “Ethiopiques – Revolt of the Soul” (Maciek Bochniak), “French Waves” (Julien Starke), “Here to be Heard: The Story of the Slits” (William E. Badgley), “Hip to da Hop” (António Freitas e Fábio Silva), “L7: Pretend We’re Dead” (Sarah Price), “MATANGI / MAYA / M.I.A.” (Steve Loveridge), “Não Consegues Criar o Mundo Duas Vezes” (Catarina David e Francisco Noronha), “Ryuichi Sakamoto: Coda” (Stephen Nomura Schible) e “Studio 54” (Matt Tyrnauer). A 15ª edição do IndieLisboa – Festival Internacional de Cinema realiza-se entre os dias 26 de Abril e 6 de Maio.

Maria Matos revela concertos de Março e Abril

Marco Franco, Norberto Lobo, Ricardo Jacinto e Yaw Tembe [Fotografia: Vera Marmelo]

O Teatro Maria Matos acaba de anunciar o seu programa de música para os meses de Março e Abril. O teatro municipal vai apresenta três concertos, ainda resultado do trabalho da equipa de Mark Deputter: no dia 7 de Março actuam os Turbamulta, grupo que junta Eduardo Raon, Joana Sá, Luís André Ferreira, Luís José Martins e Nuno Aroso; no dia 22 de Março actua um quarteto improvisador que junta Adriana Sá, John Klima, Tiago Sousa e Diana Combo; e a 27 de Abril o guitarrista Norberto Lobo apresenta o seu projecto “Estrela”, com Ricardo Jacinto, Marco Franco e Yaw Tembe.

O’culto da Ajuda acolhe novo Ciclo Jovens Improvisadores

O O’culto da Ajuda vai acolher no dia 16 de Março a primeira edição do Ciclo Jovens Improvisadores. Este é um novo ciclo, comissariado por João Esteves da Silva, que promete ser “um espaço privilegiado para a escuta de algumas das mais recentes aventuras sónicas de novos valores dedicados às mais variadas práticas de improvisação”.

No dia 16 de Março serão apresentadas três formações em estreia absoluta: o duo de João Carreiro (guitarra eléctrica) e Guilherme Aguiar (piano); o quarteto de Mariana Dionísio (voz), Miguel Sobral Curado (bateria), Philippe Trovão (electrónica) e Lucas Xerxes (electrónica); e os Symph (trio com José Diogo Martins no piano/sintetizador, Hugo Antunes no contrabaixo e Pedro Melo Alves na bateria e electrónica).

O comissário apresenta os músicos: “À excepção do do Hugo Antunes, contrabaixista de já vasta experiência, todos os intervenientes pertencem a uma jovem geração – heterogénea quanto à orientação estética ou aos percursos até então seguidos – de músicos (na casa dos 20 anos de idade) que, apesar das suas diferenças, têm em comum uma particular versatilidade e apetência para abraçar o risco criativo, entre os quais o recente vencedor do Prémio de Composição Bernardo Sassetti e músico do ano (2017) segundo a jazz.pt, Pedro Melo Alves, a par de outros talentos emergentes que terão aqui uma oportunidade para começar a dar a conhecer o seu trabalho.”

Montanhas Azuis nas Magasessions

Norberto Lobo e Marco Franco [Fotografia: Vera Marmelo]

O trio Montanhas Azuis vai actuar nas Magasessions no próximo dia 4 de Março, domingo, às 18h00. O grupo junta Noberto Lobo, Marco Franco e Bruno Pernadas, três músicos experientes e versáteis que neste contexto vão tocar piano, sintetizadores e guitarra. As Magasessions realizam-se na Avenida da República 10, 2º Esq., em Lisboa, e a entrada vale 5€.