Kaja Draksler, Vladimir Tarasov e Telectu fecham cartaz do Out.Fest

Kaja Draksler

O Out.Fest acaba de fechar o programa da edição 2018, anunciando os últimos nomes que compõe o cartaz. O festival do Barreiro vai apresentar concertos da pianista eslovena Kaja Draksler, do baterista russo Vladimir Tarasov e dos portugueses Telectu, que vão voltar a apresentar ao vivo o reeditado “Belzebu”. Os novos nomes juntam-se aos já apresentados HHY & The Macumbas, João Pais Filipe, Group A, Fret (aka Mick Harris), Lea Bertucci, Linn da Quebrada, Lotic e Ricardo Rocha. O Festival Internacional de Música Exploratória do Barreiro realiza-se entre os dias 5 e 6 de Outubro, numa co-programação da OUT.RA e Filho Único.

Disco: “Sound & Fury” de Astronauta Desaparecido

Astronauta Desaparecido
“Sound & Fury”
(A Besta, reedição 2018)

Astronauta Desaparecido surgiu como projecto musical promovido por dois irmãos, Rui Eduardo Paes e Carlos Paes. O primeiro – REP – é um reconhecido jornalista ligado à divulgação e crítica musical e musicólogo, com extensa obra publicada, ocupando actualmente o lugar de editor do site Jazz.pt. O segundo – CP – é designer e infografista no Expresso, faz fotografia e tem desenvolvido trabalho musical de forma continuada: depois dos Napalm Climax e dos Duplex Longa nos 80’s e 90’s, nos últimos anos tem tocado com o Presidente Drógado e os Mind Reset.

Em 1991 o Astronauta Desaparecido editou o seu único registo sonoro, “Sound & Fury”, em formato cassete, publicado pela editora Tragic Figures. Na altura da sua edição, sem a possibilidade de disseminação das plataformas online, este OVNI musical terá passado despercebido, tendo a sua divulgação ficado limitada a um pequeno nicho. Objecto obscuro e difícil de encontrar, este disco é agora reeditado em CD e formato digital, quase trinta anos após a sua gravação.

Este disco mostra o duo a explorar uma música experimental, em aproximação ao industrial, por vezes soando quase a metal mais pesado, por vezes explorando uma toada mais atmosférica/ambiental, mas sempre com uma atitude hardcore/punk. Como ferramentas de trabalho, o duo serve-se sobretudo dos dispositivos electrónicos acessíveis na época (1991), ou seja, gravadores de cassete, gira-discos, rádio e aparelhos de televisão, além de outros instrumentos mais “musicais”: drum machine, processadores de som, percussão, flautas e vozes. (…)

Texto completo no site Bodyspace:
http://bodyspace.net/discos/3335-sound-fury-reedicao/

Disco: “Movements In Freedom” de João Lencastre

João Lencastre’s Communion 3
“Movements In Freedom”
(Clean Feed, 2018)

No seu quinto disco como líder, e com aquela que é a terceira encarnação do grupo Communion, o baterista João Lencastre foca-se no formato simples de trio de piano. Se no passado Lencastre se fez acompanhar por músicos como David Binney, Thomas Morgan, Bill Carrothers e Phil Grenadier, desta vez volta a contar com a companhia de músicos de luxo: Jacob Sacks no piano e Eivind Opsvik no contrabaixo.

Quando este novo disco “Movements In Freedom” arranca somos logo invadidos por uma melodia que soa familiar: é a “Street Woman” de Ornette Coleman, numa pianada vertiginosa que dá um safanão. De seguida entra um tema mais lento, espécie de balada que se transforma, a primeira de uma sequência de três composições originais de Lencastre. E depois segue-se um leque improvisações, temas abertos onde os três músicos partem sem rede para entrelaçarem ideias num caminho comum.

Texto completo no site Bodyspace:
http://bodyspace.net/discos/3332-movements-in-freedom/

Aí está o novo disco do Frame Trio

O Frame Trio acaba de editar o novo disco, “Luminária”, através da editora FMR Records. O grupo de Luís Vicente (trompete), Marcelo dos Reis (guitarra) e Nils Vermeulen (contrabaixo) assinala o lançamento do disco novo com uma série de concertos, tendo já agendadas actuações em Bruges (28 de Outubro), Gent (29 de Outubro) e Ljubljana (10 de Janeiro).

Marco Franco ao vivo no Goethe-Institut

Marco Franco vai apresentar-se ao vivo num concerto no Goethe-Institut, em Lisboa, no dia 19 de Setembro. O também baterista irá apresentar a música do disco “Mudra” num espectáculo de piano solo. O concerto terá lugar no Jardim do Goethe-Institut, com início às 19h00, e o bilhete tem o preço de 5€. Em paralelo serão também exibidas algumas pinturas da autoria de Marco Franco.

Discos: “Tuning the Invisible” / “Impermanence” / “Fall”

HAN
“Tuning the Invisible”
(Edição de autor, 2018)

Vítor Joaquim
“Impermanence”
(Edição de autor, 2018)

Ernesto Rodrigues / Emídio Buchinho / Ricardo Guerreiro
“Fall”

(Creative Sources, 2017)

Três discos portugueses que abordam a exploração sonora e musical em registos atmosféricos, partindo de instrumentação electro-acústica. HAN é um duo português, constituído por Emídio Buchinho e Vítor Joaquim, que aqui edita o seu disco de estreia (“Tuning the Invisible”). Vítor Joaquim, músico com um longo percurso como explorador musical, edita um novo disco “Impermanence”, a solo. E o trio Ernesto Rodrigues / Emídio Buchinho / Ricardo Guerreiro apresenta o disco “Fall”, uma edição Creative Sources.

No disco “Tuning the Invisible” a base da música parte da guitarra eléctrica de Buchinho) e da vertente electrónica de Joaquim. Vítor Joaquim trabalha o processamento em tempo real e sampling da guitarra, e pontualmente intervém com diversos instrumentos (órgão, trompete, electrónicas e outros objectos). Além de Buchinho e Joaquim, o disco conta com três convidados, três figuras de proa da cena exploratória portuguesa: os improvisadores Carlos Zíngaro (violino) e Ulrich Mitzlaff (violoncelo), que participam em dois temas, e Nuno Canavarro, autor do histórico “Plux Quba”, que participa num tema (piano elétrico e sintetizadores). A toada do disco é ambiental, sempre à volta do centro de gravidade que é a guitarra. Nos temas que contam comparticipação dos convidados destacam-se, naturalmente: as cordas de Zíngaro e Mitzlaff acentuam a melancolia; no tema em que participa, “Lament”, Canavarro acentua a carga dramática. (…)

Texto completo no site Bodyspace:
http://bodyspace.net/discos/3328-tuning-the-invisible-impermanence-fall/

Disco: “End to End” de Barre Phillips

Barre Phillips
“End to End”
(ECM, 2018)

Há cinquenta anos o contrabaixista Barre Phillips gravou o disco “Journal Violone”, o primeiro álbum de contrabaixo a solo. Meio século depois, o veterano improvisador americano quer fechar o ciclo e grava na ECM um novo disco a solo, “End to End”. Para Phillips este novo álbum é uma forma de encerrar formalmente um ciclo, regressando a um formato no qual se notabilizou. O contrabaixista, que gravou o histórico “Music From Two Basses” em duo com Dave Holland, tem aqui um documento que é também uma espécie de testamento musical.

Neste solo absoluto Phillips apresenta três peças grandes, cada  uma dividida em várias partes: “Quest”, “Inner Door” e “Outer Window”. O contrabaixista natural de San Francisco, a residir em França desde os anos 70, reuniu para este disco alguns temas, composições que funcionam como base, explorando os vários temas com rescurso à improvisação aberta. O veterano explora o instrumento com toda a experiência, alternando entre o pizzicato e o arco, desenvolvendo uma música que evolui de forma fluida. Assente na improvisação, a música de Phillips mostra-se sempre curiosa e desafiante.

O contrabaixo de Barre atravessa diferentes registos, ora a explorar a pura intensidade rítmica (quarta parte de “Quest”), ora numa toada mais melódica e sentimental com o arco (segunda parte de “Inner Door”), ora alimentando tensão dramática (terceira parte de “Outer Window”). E no tema que fecha o disco ouvimos um pizzicato arrastado, profundo, com cada som trabalhado com pormenor – perfeita despedida. Este disco, mais do que encerrar um ciclo perfeito, volta a lembrar-nos da originalidade de Barre Phillips, improvisador magnífico.

Vem aí mais uma edição do MagaFest

Marco Franco e Norberto Lobo [Fotografia: Vera Marmelo]

No dia 6 de Outubro a Casa Independente acolhe mais uma edição do festival MagaFest. Esta edição junta 3 músicos e compositores que se apresentam em 4 concertos. Os concertos arrancam às 18h00 e o programa inclui actuações de Norberto Lobo (a apresentar “Estrela”), Bruno Pernadas (a apresentar “Worst Summer Ever”) e Marco Franco (a apresentar “Mudra”, em piano solo). Lobo, Pernadas e Franco juntam-se em palco ao final da noite, com o projecto Montanhas Azuis. Os bilhetes custam 15€ e já estão à venda na Ticketline e MagaSessions.

Jazz em Agosto 2018: rescaldo

Convidámos alguns críticos e amigos (espectadores atentos) para uma votação sobre os concertos do festival Jazz em Agosto, numa escala de 1 a 5 estrelas. Obrigado António Branco, Cláudia Domingues, David Cristol, Filipe Ferreira, Gonçalo Falcão, José Nuno Beirão, Pedro Serpa, Rita Draper Frazão e Rui Eduardo Paes!