Disco: “Turbamulta” de Turbamulta

Turbamulta
“Turbamulta”
(Clean Feed, 2018)

Primeiro chegou-nos a música a solo de Joana Sá. O primeiro contacto chegou com o “Elogio da Desordem” (2013, Shhpuma), o piano sozinho, original e desafiante. Depois juntou-se Luís José Martins, com a guitarra, e nasceu o duo Almost a Song. Da experiência dos Deolinda, Martins trouxe o dedilhar aportuguesado da guitarra, a vontade de aventurar em caminhos novos, entrelaçando guitarra e piano num improvável e surpreendente diálogo (disco homónimo “Almost a Song”, 2013). Com a harpa de Eduardo Raon o projecto evoluiu para Powertrio, tendo esse encontro ficado registado no disco “Di Lontan”, de 2015 (novamente edição Shhpuma). E agora, com o acrescento de dois novos músicos, Luís André Ferreira (violoncelo) e Nuno Aroso (percussão), evolui-se para quinteto. (…)

Texto completo no site Bodyspace:
bodyspace.net/discos/3321-turbamulta

Disco: “Canto Primeiro” de Beatriz Nunes

Beatriz Nunes
“Canto Primeiro”
(Sintoma, 2018)

Neste seu disco de estreia, apropriadamente intitulado “Canto Primeiro”, a cantora apresenta uma música de raiz assumidamente portuguesa, assente sobre uma configuração jazz. Assumindo essa veia portuguesa, além de muita música original, há a revisitação de um tema de José Afonso (“Canção da Paciência”) e um arranjo para um tema tradicional alentejano (“Aurora tem um menino”). A voz de Beatriz combina doçura e segurança e, sem espalhafato, desenvolve uma música elegante. Além da qualidade técnica vocal evidente, a também compositora apresenta um conjunto de temas originais muito interessantes, que globalmente partilham uma certa ideia – também harmónica – de portugalidade.

Texto completo no site Bodyspace:
bodyspace.net/discos/3320-canto-primeiro

Disco: “Dream Dream Beam Beam” de Julius Gabriel

Julius Gabriel
“Dream Dream Beam Beam”
(Lovers & Lollypops, 2018)

Saxofonista natural da Alemanha, Julius Gabriel vive e trabalha actualmente na cidade do Porto. Integra projectos internacionais como The Dorf, About Angels and Animals, Blutiger Jupiter e Das Behälter. Começou recentemente a desenvolver trabalho com músicos nacionais, participando no trio Ikizukuri (com Gonçalo Almeida e Gustavo Costa), no duo Paisiel (com o percussionista João Pais Filipe, também com disco acabado de editar) e apresentou ao vivo os Julius Gabriel’s Cosmic Messengers. (…)

O resultado é uma viagem psicadélica, onde se combina o som do sopro, com camadas de electrónica e samples, numa massa sonora espacial. Entre os rugidos do saxofone tenor e o mar de efeitos electrónicos (usando o instrumento como fonte sonora), combinação de fraseados e feedback, nasce uma música originalíssima, desafiante. Nas cascatas de som de Gabriel damos um mergulho no espaço e, sem encontrar um paralelo aproximado, evocamos o jazz cósmico de Sun Ra, que encontra neste jovem alemão-portuense um legítimo herdeiro da sua música extraterreste.

Texto completo no site Bodyspace.

Disco: “Ellipse” de Stefano Travaglini

Stefano Travaglini
“Ellipse”
(Notami Jazz, 2017)

O italiano Stefano Travaglini começou por se afirmar como versátil multi-instrumentista (piano, oboé e baixo). Estreou a sua discografia com o disco “The Hungarian Songbook” em 2013 (reinterpretação de canções folk da Europa de Leste) e actualmente distribui a sua energia pelos projectos Daydream Trio (com Giacomo Dominici e Marco Frattini) e The Journey Duo (com o saxofonista Manuel Trabucco). Agora, aventura-se num arriscado disco de piano solo. Travaglini lança-se numa empreitada musical que atravessa fronteiras estilísticas, percorrendo o jazz, a música clássica e a improvisação. Além das improvisações e das composições originais, o italiano revisita “Monk’s Mood” (Thelonious Monk) e o standard “Softly, as in a morning sunrise” (de Sigmund Romberg e Oscar Hammerstein II). (…)

Texto completo no site Bodyspace:
http://bodyspace.net/discos/3297-ellipse/

Disco: “Moving” de Desidério Lázaro

Desidério Lázaro
“Moving”
(Sintoma, 2018)

O saxofonista Desidério Lázaro começou por se afirmar sobretudo pela sua capacidade técnica, instrumentista de improvisação fogosa, assumidamente coltraneana. Apresentou-se ao mundo com Rotina Impermanente (2010), num trio acompanhado por Mário Franco e Luís Candeias. Seguiu-se Samsara (2012), disco em quinteto com Afonso Pais, João Firmino, Francisco Brito e Joel Silva. Regressou ao trio com Cérebro: Estado Zero (2013). E em 2015 editou Subtractive Colors, com um grupo mais alargado e ambicioso (uma formação flexível que se expandia até septeto).

Neste seu quinto disco, Moving, o saxofonista lidera agora um quarteto com músicos da sua geração, com quem já trabalhou anteriormente: João Firmino na guitarra, Francisco Brito no contrabaixo e Joel Silva na bateria. Lázaro apresenta um conjunto de temas originais, com uma diversidade que reflecte a actual fase criativa. Sem a urgência dos primeiros tempos, a ânsia de exibir a vertigem saxofónica está controlada, a atenção está focada no som colectivo e a música fica a ganhar. (…)

Texto completo no site Bodyspace:
http://bodyspace.net/discos/3291-moving/

Artigo: Guilherme Rodrigues x 3

[Fotografia: Kezzyn Andrey]

Tem sido difícil acompanhar todo o material publicado pela editora Creative Sources, a editora portuguesa que se tem afirmado internacionalmente na área da improvisação livre. Fundada no ano de 2001, da iniciativa de Ernesto Rodrigues (viola d’arco), a editora tem não só documentado o percurso do fundador, como vem publicando registos de músicos que vêm definido a música improvisada no século XXI: Tetuzi Akiyama, Oren Marshall, Rhodri Davies, Axel Dörner, Peter Evans, Franz Hautzinger, Radu Malfatti, Jean-Luc Guionnet ou Martin Küchen.

Com cerca de quinhentos discos editados(!), a editora tem sido também fundamental a documentar a produção dos improvisadores portugueses, tendo editado trabalhos de Manuel Mota, Sei Miguel, Luís Lopes, Carlos Santos, Paulo Chagas, Miguel Ângelo, Abdul Moimême, Hernâni Faustino e Nuno Torres, entre outros.

Filho de Ernesto, o violoncelista Guilherme Rodrigues (n. 1988) tem seguido as pisadas do pai e vem construindo um sólido percurso na música improvisada entre Lisboa e Berlim. Já participou em mais de quarenta discos, muitos deles em parceria com o pai, e vem trabalhando a sua própria história. Entre o final de 2017 e o início deste ano de 2018 foram publicados estes três discos que contam com a participação de Guilherme Rodrigues: “Zweige”, “As we read along…” e “Laura” – todas edições da Creative Sources. (…)

Artigo completo no site Bodyspace:
http://bodyspace.net/artigos/306-guilherme-rodrigues-x-3/

Disco: “An End As a New Beginning” de Home

Home
“An End As a New Beginning”
(Inner Circle / Nischo, 2017)

Com o seu disco de estreia, “Directions” o acordeonista João Barradas confirmou-se, mais do que um extraordinário virtuoso, como compositor sólido e, sobretudo, como músico completo, com impecável bom gosto. Esse álbum, um portentoso monumento de jazz mainstream, bateu com uma força enorme num raro momento para o jazz português. Poucos meses depois dessa notável estreia, Barradas apresentou um projecto alternativo, onde se lança para um jazz contemporâneo mais aberto e eléctrico.

Para este grupo o acordeonista, líder e compositor reuniu um grupo de jovens músicos (todos com idades próximas da sua) que exibem a alta qualidade técnica da mais jovem geração do jazz nacional. Sem olhar a geografias, juntou músicos do norte e do sul, numa espécie de “all-star” júnior: Mané Fernandes (guitarra eléctrica), Gonçalo Neto (guitarra eléctrica), Eduardo Cardinho (vibrafone), Ricardo Marques (baixo eléctrico) e Guilherme Melo (bateria).

Instrumentalmente, neste projecto Barradas livra-se do tradicional acordeão clássico, servindo-se exclusivamente do acordeão Midi, instrumento que já havia usado pontualmente no disco anterior. Trabalhando sons aproximados a teclados eléctricos, por vezes soa a um piano eléctrico, outras vezes está mais próximo de um sintetizador. (…)

Texto completo no site Bodyspace:
http://bodyspace.net/discos/3269-an-end-as-a-new-beginning/

Disco: “In Search of the Emerging Species” de Big Bold Back Bone

Big Bold Back Bone 
“In Search of the Emerging Species”
(Shhpuma, 2017)

O quarteto Big Bold Back Bone resulta de uma parceria luso-suíça, juntando dois músicos suíços e dois portugueses (Luís Lopes e Travassos). Os suíços Marco Von Orelli (trompete) e Sheldon Suter (bateria) consistem no duo Lost Socks, grupo que trabalha a improvisação a partir de uma matriz de origem jazzística. Do lado português, o versátil guitarrista Luís Lopes vem alimentando um percurso cada vez mais rico e, entre outros, lidera os grupos Humanization Quartet (com Rodrigo Amado), Lisboa-Berlin Trio, Afterfall, trio com Adam Lane e Igal Foni, duo com Fred Lonberg-Holm, além de um registos a solo (“Noise Solo at ZDB” e “Love Song”). E Travassos é, além de reconhecido designer (atenção ao livro “Life is a simple mess”), um criativo manipulador de electrónica analógica, num percurso musical que tem atravessado múltiplos projectos: FLU, Pinkdraft, Les Voisins, One Eye Project e Pão – com Tiago Sousa e Pedro Sousa, que terá sido um dos mais originais projectos nacionais dos últimos anos. (…)

Texto completo no site Bodyspace:
http://bodyspace.net/discos/3262-in-search-of-the-emerging-species/

Disco: “Moonwatchers” de Slow Is Possible

Slow Is Possible
“Moonwatchers”
(Clean Feed, 2017)

Por esta altura os Slow Is Possible (SIP) já não serão uma completa surpresa, como aconteceu quando apresentaram o seu primeiro disco, editado pela coimbrã JACC Records. Contudo, não deixa de ser surpreendente esta original mescla de referências musicais, que entrecruza elementos de jazz, pós-rock e música de câmara, numa música que acaba por soar cinematográfica.

Os SIP são uma formação original que junta seis excelentes instrumentistas nacionais: Bruno Figueira (saxofone alto), João Clemente (guitarra elétrica e eletrónica), Nuno Santos Dias (piano), André Pontífice (violoncelo), Ricardo Sousa (contrabaixo) e Duarte Fonseca (bateria). Com uma configuração instrumental pouco habitual, o sexteto trabalha composições bem estruturadas, que convocam toda a panóplia instrumental, num inteligente trabalho de orquestração. (…)

Texto completo no site Bodyspace:
http://bodyspace.net/discos/3258-moonwatchers/