Trio de Jazz de Loulé no Liceu Camões

O Trio de Jazz de Loulé apresenta-se ao vivo pela primeira vez em Lisboa com um concerto no Auditório do Liceu Camões. Este grupo junta três valores seguros da nova geração do jazz português: o pianista João Pedro Coelho, o contrabaixista António Quintino e o baterista João Pereira. O concerto está marcado para dia 1 de Dezembro, sexta-feira, às 21h30, e a entrada custa 3€ (reservas via email subscriber@uniquebooking.eu).

ZDB estreia quarteto inédito

Gabriel Ferrandini e Luís Lopes [Fotografia: Vera Marmelo]

A Galeria ZDB, em Lisboa, vai promover a estreia de um quarteto inédito de improvisadores. O grupo vai reunir três nomes fundamentais da cena improv portuguesa – Rodrigo Amado (saxofones), Luís lopes (guitarra) e Gabriel Ferrandini – com o norte-americano Fred Lonberg-Holm (violoncelo). O concerto está agendado para o dia 8 de Dezembro, às 22h. Os bilhetes custam 8€ e estão à venda na Flur Discos, Tabacaria Martins e ZDB (reservas@zedosbois.org).

Spectral Songs em tour nacional

O contrabaixista e compositor João Hasselberg vai apresentar o seu novo projecto com uma tour nacional. O grupo Spectral Songs é um projecto internacional que junta o contrabaixista português com Jedrzej Lagodzinski (saxofone, Polónia), Rudolfs Macats (piano e Juno-60, Letónia) e Simon Albertsen (bateria, Noruega). O quarteto promete uma música que nasce do equilíbrio entre a composição e a improvisação, evocando uma atitude de introspecção. Aqui fica a agenda completa de espectáculos do quarteto Spectral Songs em Portugal.

1 Dez: Salão Brazil, Coimbra
3 Dez: SMUP, Parede
6 Dez: Passos Manuel, Porto
7 Dez: Teatro Garcia de Resende, Évora
8 Dez: Centro Cultural e de Congressos, Caldas da Rainha
9 Dez: Hot Clube de Portugal, Lisboa

Orquestra Jazz de Matosinhos convida… Manel Cruz

A Orquestra Jazz de Matosinhos está a preparar as novidades para 2018 e uma delas será uma inesperada colaboração com Manel Cruz. O ex-vocalista dos Ornatos Violeta será convidado da orquestra e o espectáculo em parceria terá a sua estreia no dia 9 de Junho na Casa da Música (Sala Suggia). Os bilhetes para este concerto serão colocados à venda em breve.

Sobre a colaboração, Manel Cruz escreveu: “Neste momento não faço a mínima ideia de qual vai ser o resultado desta parelha. Foi essa uma das coisas que me atraíram neste convite. Reduzir as canções ao essencial e oferecê-las a uma outra linguagem como sacrificando um animal a um qualquer deus da brincadeira. As músicas não valem nada sem quem as toca, são como peúgas vazias com olhos abotoados à espera de uma mão que as anime. Eu tenho umas dúzias delas que espero elásticas, e se o não forem, que rompam.”

ECM chegou ao Spotify

A ECM chegou finalmente ao Spotify. O grandioso catálogo da histórica editora de Manfred Eicher está agora disponível para escuta online e já podem ser ouvidos na íntegra clássicos como “The Köln Concert” (Keith Jarrett), “Conference of the Birds” (Dave Holland Quartet), “Open, To Love” (Paul Bley) ou “Sargasso Sea” (John Abercrombie & Ralph Towner). Contudo, é importante lembrar que a editora não vive só do passado e hoje em dia continua a publicar material muito relevante, tendo editado recentemente discos de músicos como Vijay Iyer, Craig Taborn, Mette Henriette e Maciej Obara, entre outros.

Artigos:
ECM Records 2016: História Viva
ECM Records 2017: A História Continua

Joe McPhee e Paal Nilssen-Love na ZDB

A dupla Joe McPhee & Paal Nilssen-Love vai apresentar-se ao vivo na Galeria  ZDB, em Lisboa, no dia 6 de Dezembro. O lendário multi-instrumentista americano e o baterista norueguês, que acabam de editar a box “Candy” (7 discos!), regressam à ZDB para  mais uma sessão de improvisação old school. Os bilhetes custam 8€ e estão disponíveis na Flur Discos, Tabacaria Martins e ZDB (reservas@zedosbois.org).

João Espadinha apresenta disco de estreia

O guitarrista João Espadinha prepara-se para editar o deu disco de estreia. Editado pela Sintoma Records, o disco “Kill the Boy” vai revelar a música original de Espadinha, com o jovem guitarrista a liderar um grupo que junta Bruno Calvo (trompete), Nicolò Ricci (saxofone tenor), João Pedro Coelho (piano), Giuseppe Romagnoli (contrabaixo), Andreu Pitarch (bateria), Joana Espadinha (voz) e Mariana Nunes (voz). O disco será apresentado ao vivo no Hot Clube, em Lisboa, no dia 25 de Novembro.  Em primeira mão, Espadinha apresenta a sua música.

Como surgiu esta música?
As primeiras composições do disco surgiram no meu segundo ano em Amesterdão, numa altura em que tinha algumas dificuldades em gerir o tempo e sentia que dedicar esse tempo apenas ao estudo do instrumento ia tornar-se, a partir de certo ponto, contraproducente. Nesse sentido, a minha irmã Joana [Espadinha] e o João Firmino foram das pessoas que mais me encorajaram para começar a escrever música. Muitas das músicas foram surgindo em alturas dispersas mas, em geral, e a um nível pessoal, remetem para o período que passei em Amesterdão e também para o primeiro ano que vivi em Portugal depois de regressar. Continue reading “João Espadinha apresenta disco de estreia”

3 Discos? A escolha de Ana Brandão

[Fotografia: Vitorino Coragem]

“Ana Brandão é actriz e cantora. Tem 46 anos. Formou-se como actriz no curso do Instituto Franco-Português. A mãe é a Gracinda e o pai era o Júlio. Tem três irmãos e três sobrinhos. Teve quatro animais. O peixe Bomba, o canário Filipe, o gato Beckett e o cão Tricky. Teve muitos namorados. Tem um namorado. Fez muitas peças de teatro e muitos concertos. Casas e pessoas boas com quem trabalhou: Teatro O Bando, Primeiros Sintomas, Tep, Teatro Aberto, Mala Voadora, Nuno Cardoso, Beatriz Batarda; Carlos Bica, João Paulo Esteves da Silva, Real Combo Lisbonense. O cinema que fez com o João César Monteiro, Raquel Freire, Margarida Gil, José Filipe Costa. Viajou muito a trabalhar: Bogotá, Querença, São Tomé e Príncipe, Rio de Janeiro, Sever do Vouga, Viena, Braga, Sarajevo, Montalegre, Puerto Natales, Paredes de Coura, Puerto Mont, São Miguel, Maputo. Anda de bicicleta na sua cidade. Tem saudades do pai.”

  

Kate Bush – “Hounds of Love”
(EMI, 1985)
“Quando era adolescente ouvia a Lena D’Água e a Xana mas quem me tirava do sério era a Kate Bush. Além da voz era a maneira como dançava e representava nos seus videoclipes. Tentava imitá-la cantando para o espelho do guarda fatos, no quarto dos meus pais. Neste álbum rodopiava e não parava até ficar tonta.
The morning fog
I am falling
Like a stone
Like a storm
Being born again
Into the sweet morning fog
D’you know what?
I love you better now.

Keith Jarrett – “The Köln Concert”
(ECM, 1975)
“Aprendi a cantar cada nota deste concerto. Ouvi-o repetidamente até à exaustão. Quando fiz a audição para cantar com o Carlos Bica disse-lhe que conseguia cantar o Köln Concert. Ele sorriu e deve ter achado que eu era maluquinha. Hoje já o ouço e consigo estar em silêncio.”

Marco Franco – “Mudra”
(Revolve, 2017)
“O disco que mais ouvi este ano. Conhecia o Marco dos Tim Tim por Tim Tum. Óptimo baterista, mas neste seu “Mudra” a delicadeza, a fragilidade e o respeito pelo piano tocaram-me imenso. Tive a sorte de assistir a tudo isto ao vivo, no seu primeiro concerto, no Festival Rescaldo. Um momento muito especial que não esquecerei.”