Memória: “Junk Magic” de Craig Taborn

Texto publicado originalmente no site Tomajazz, em Abril de 2005.

Craig Taborn
“Junk Magic”

(Thirsty Ear, 2004)

El catálogo “Blue Series” del sello Thirsty Ear, de cuya dirección se encarga el pianista Matthew Shipp, promueve algunos de los proyectos más interesantes de la vanguardia del jazz inconformista de la actualidad. Siempre explorando nuevos rumbos, este sello no se cansa de presentar proyectos innovadores que son, al mismo tiempo, siempre interesantes y agradables. Ejemplos de ello son las grabaciones de los renacidos Spring Heel Jack (con invitados), del gigante William Parker, del propio Matthew Shipp (a su nombre, liderando la Blue Series Continuum o en colaboración con Antipop Consortium), quienes, entre otros, ya han presentado resultados excelentes. Una de las más recientes ediciones del catálogo es la grabación de una sesión liderada por el pianista Craig Taborn. “Junk Magic” es el resultado de un gran proyecto de Taborn en el que cuenta con la colaboración de Aaron Stewart (saxo tenor), Mat Maneri (viola) y David King, miembro The Bad Plus (batería). Continue reading “Memória: “Junk Magic” de Craig Taborn”

Maranha leva “Cai-Bem” à ZDB


[Fotografia: Vera Marmelo]

David Maranha acaba de apresentar um novo disco, publicado pela editora Tanuki Records. Este novo trabalho é o resultado de um novo quarteto onde cada músico toca instrumentos com os quais estará, à partida, pouco familiarizado: David Maranha na bateria, Manuel Mota no baixo, Margarida Garcia no órgão e Miguel Abras na voz e multitrack cassete recorder. O novo disco “Cai-Bem” – título inspirado na Cova do Vapor – já pode ser ouvido e encomendado online. Assinalando esta edição, o quarteto de Maranha apresenta-se ao vivo na Galeria ZDB, em Lisboa, no dia 27 de Outubro (bilhetes a 6€). 

José Dias apresenta o projecto Awareness

O guitarrista José Dias vai apresentar o seu novo projecto ao vivo na SMUP (Parede) no próximo dia 13 de Outubro. O novo quarteto chama-se Awareness e surge após a edição de dois discos em nome próprio – “360” e “What Could Have Been” – e do trio Magenta.

Em exclusivo, o guitarrista apresenta este novo projecto: “Depois desses discos com, sobretudo, composições minhas, tomei algum tempo para repensar a minha forma de abordar a composição e a improvisação. Nesse período, comecei a explorar algo que hoje faço com bastante regularidade – a improvisação livre para filmes mudos. Esse acto de re-focar a minha atenção – não apenas no som e em formas mais estáticas, mas também no estímulo visual e na imprevisibilidade narrativa de fazer som para uma história, situação ou paisagem que se desenrola à nossa frente em tempo real – fez-me tomar consciência de outros recursos que não tinha explorado até aqui. O quarteto chama-se Awareness sobretudo por isso.”

Para este novo grupo Dias reuniu três músicos portugueses: Francisco Andrade (saxofones tenor e alto), Gonçalo Prazeres (saxofones alto, tenor e barítono) e Rui Pereira (bateria). O guitarrista explica a escolha: “São músicos que admiro e com quem me identifico, não só como improvisadores, mas também como compositores. Os concertos funcionam como uma sessão de improvisação para um filme mudo – mas que pode também ser para uma cena de um romance ou de um conto – partindo de estruturas e motivos mínimos. Por isso, a maior parte dos meus temas tem como inspiração personagens “irresolvidas” nos romances que protagonizam – John Willoughby de “Sensibilidade e Bom Senso”; Angela Vicario de “Crónica de uma Morte Anunciada”; Gustav de “Morte em Veneza”; ou Humbert Humbert de “Lolita”. No caso do Francisco Andrade há quase que uma atenção laboratorial ao uso individualizado de mecanismos musicais – as dinâmicas, os ciclos melódicos e harmónicos. No Gonçalo Prazeres há um nítido desafio aos limites da harmonia. E o Rui Pereira cria contrastes muito interessantes entre padrões rítmicos pouco usuais e sequências harmónicas bastante abertas. No fundo, todos nos encontramos no ponto em que, na música que fazemos, estamos sobretudo focados em construir paisagens sonoras. O facto de – propositadamente – não existir contrabaixo adensa o desafio de se criarem texturas novas.”

O concerto na SMUP vai ser gravado para edição discográfica em 2018, altura em que serão apresentados mais concertos em Portugal e no Reino Unido.

Outubro na Porta-Jazz


Mike Moreno

A Associação Porta-Jazz já apresentou a sua programação de concertos para o mês de Outubro. O programa inclui vários músicos internacionais: o guitarrista americano Mike Moreno, o saxofonista argentino Luis Nacht e o guitarrista suíço Roberto Pianca. Os concertos são sempre aos sábados na Sala Porta-Jazz – Avenida dos Aliados, 168, 4º – e todos os concertos incluem duas sessões: a primeira às 19h00, a segunda às 22h00. Aqui fica o programa:

7 Out: Quarteto Luis Nacht
14 Out: Mike Moreno Trio
21 Out: Roberto Pianca
28 Out: O Outro

Vem aí mais uma edição do DouroJazz

BS-20150815-BRUNOPERNARDASBruno Pernadas [Fotografia: Carlos Manuel Martins]

Aqui está mais uma edição do DouroJazz, festival que se realiza nas primeiras semanas de Outubro no Teatro de Vila Real. O programa destaca duas cantoras (Carmen Souza e Maria João em versão blues), mas é sobretudo evidente a atenção dada à nova geração do jazz português. Esta geração está representada com projectos que, apesar de esteticamente díspares, despertam muita curiosidade: o grupo Home de João Barradas (que vai apresentar o seu disco de estreia “An End As a New Beginning”), a cantora Beatriz Pessoa, o guitarrista Bruno Pernadas a apresentar a sua faceta jazz (e o disco “Worst Summer Ever”) e Os Putos do Jazz (já aqui apresentados). Aqui fica o programação completa.

4 Out, 21h30: Budda Power Blues feat. Maria João
6 Out, 21h30: Os Putos do Jazz
7 Out, 21h30: Bruno Pernadas
10 Out, 14h30: Jazzhop! (Público juvenil)
11 Out, 22h30: Beatriz Pessoa
13 Out, 21h30: Home
14 Out, 21h30: Carmen Souza
14 Out, 23h00: DJ Set Encerramento

Outubro no Hot Clube


William Parker

O Hot Clube de Portugal apresentou a programação para o mês de Outubro (e início de Novembro). No programa do clube da Praça da Alegria destaca-se a presença do gigante William Parker, com o contrabaixista americano a integrar um quarteto internacional com o saxofonista John Dikeman, o baterista holandês Onno Govaert e o trompetista português Luís Vicente (actuam a 1 de Novembro, na noite anterior passam pelo Auditório de Espinho). O programa inclui ainda  o contrabaixista João Hasselberg em dose dupla: o duo Songbird toca a 4 de Outubro e a parceria com Pedro Branco actua nos dias 19 e 20. Destaque ainda para a dupla Júlio Resende & Carlos Barretto, que vai apresentar o espectáculo “A Árvore dos Desejos” (dia 26). As jam sessions – sempre às terças-feiras, com entrada livre – são organizadas pelo baterista Luís Candeias.

Programa completo [PDF]

Jazz de volta a Estarreja

João Mortágua [Fotografia: Mário Ferreira]

A edição 2017 do festival Estarrejazz realiza-se entre os dias 4 e 14 de Outubro e vai apresentar um total de oito concertos: seis concertos no auditório e dois concertos nas “after-hours”. Do programa destacam-se a cantora sueca Lina Nyberg e várias propostas nacionais: o trio Paulo Bandeira com a cantora Cristina Branco como convidada, o músico estarrejense João Mortágua, que vai apresentar o disco “Mirrrors”, e ainda o trio NOA, grupo de Nuno Costa, Óscar Graça e André Sousa Machado com a cantora convidada Rita Maria. Os concertos no auditório começam sempre às 21h30, as “after-hours” realizam-se aos sábados a partir das 23h00. A entrada nos concertos vale 6€ ou 4€ (Cartão Amigo, Cartão Sénior e Jovem Municipal) e o passe geral fica por 22,5€ (acesso a todos os concertos no auditório e “after-hours”). Aqui fica o programa completo do festival.

5 Out.: Alma Nuestra
6 Out.: João Mortágua
7 Out.: NOA c/ Rita Maria
7 Out.: Tomás Marques Quartet (After-hours)
12 Out.: Trio Paulo Bandeira c/ Cristina Branco
13 Out.: Lina Nyberg Band
14 Out.: Big Band Estarrejazz c/ Paula Morelenbaum e Ralf Schmid
14 Out.: Domingos Henriquez (After-hours)

Notícia publicada no site Bodyspace.
http://bodyspace.net/ultimas/81240-jazz-de-volta-a-estarreja/

3 Discos? A escolha de Cláudia Marques Santos

cms_331458326289354_o[Fotografia: Valério Romão]

Cláudia Marques Santos é jornalista e trabalha na área da cultura, colaborando com as revistas Máxima, Visão e UP Inflight Mag; é também responsável pelo projecto de entrevistas online If You Walk the Galaxies.

fontana_milesdavis_3652652 alovesupreme10000_37sg3g billevans_51ihWt8rzL

Os três discos de jazz que mais oiço:

Miles Davis – “Ascenseur pour l’échafaud”
(Fontana, 1958)
“Para estar sozinha.”

John Coltrane – “A Love Supreme”
(Impulse, 1965)
“Para parar de pensar.”

Bill Evans – “Time Remembered”
(Milestone, 1983)
“Para trabalhar.”

Alessio Vellotti ​apresenta disco ao vivo

Alessio Velotti Group

O pianista e compositor ​Alessio Vellotti​, italiano residente em Portugal, acaba de editar o seu álbum de estreia. O disco tem por título “Viagem de Regresso” e será apresentado ao vivo no Centro Cultural da Malaposta (Odivelas) no próximo dia 15 de Setembro. Neste concerto Velotti vai contar com a companhia do saxofonista Tiago Cordeiro, ​d​o baixista Augusto Macedo e ​d​o baterista Diogo Leónidas. O concerto tem início marcado para as 21h30 e a entrada tem o preço de 5€.

Pianistas no São Luiz


Joana Gama

O Teatro São Luiz também já revelou a programação para a nova temporada, onde se destacam concertos com pianistas portugueses. A 22 de Novembro Filipe Melo e Filipe Raposo apresentam “A Biblioteca dos Músicos”, concerto integrado nos Dias do Desassossego ’17. Este espectáculo pretende reflectir os livros que inspiraram os músicos e vai ainda incluir duas composições inéditas: um tema dedicado a Fernando Pessoa, outro para José Saramago. No dia 24 de Novembro a pianista Joana Gama apresenta o espectáculo “I Love Satie”, recital de piano à volta do repertório de Erik Satie que irá assinalar o lançamento do disco “Satie.150”. No São Luiz os espectáculos começam sempre às 21h00.