Livro: “As Serious As Your Life” de Val Wilmer

O livro “As Serious As Your Life” de Val Wilmer acaba de ser reeditado. Aqui fica um texto sobre o livro, publicado originalmente na revista Mondo Bizarre em Abril de 2005.

Val Wilmer
“As Serious As Your Life”
(Serpent’s Tail)

Dedicated to Ed Blackwell, Dollar Brand, Don Cherry and the late Jimmy Garrison, for a memorable night at Ornette’s when the music healed my New York blues. Esta é a dedicatória que introduz o leitor à aventura. E o leitor desatento que se previna pois, se não tiver cuidado, ao fim da leitura pode ter algumas dezenas de discos novos a forrar a casa, de artistas com nomes estranhos como Leroy Jenkins, Kalaparusha, Grachan Moncur III ou Sirone. “As Serious As Your Life” é um retrato completo da cena do free jazz, em Nova Iorque nas décadas de 1960 e 1970, que vai para além da música e dos músicos, fala das pessoas, das suas circunstâncias e das suas relações. Val Wilmer conta a grande odisseia do “free”, mas fá-lo com a marca de quem esteve lá, de quem conviveu de perto com as pessoas, de quem ouviu os músicos a tocar a partir da primeira fila. Ao longo de pouco mais de 250 páginas é apresentada uma biografia deste movimento musical, frequentemente designado de “New Black Music” – há ênfase na defesa orgulhosa da cultura negra. O especial (e óbvio) destaque vai para os pilares artísticos fundadores da revolução do jazz: John Coltrane, Cecil Taylor, Ornette Coleman, Sun Ra, Albert Ayler. E alonga-se noutros nomes basilares, mas aqui os bateristas ganham atenção especial em relação aos demais: Sunny Murray, Milford Graves, Andrew Cyrille, Rashied Ali são figuras presentes em múltiplos momentos. Repartida por dezasseis capítulos, esta obra analisa pormenorizadamente os elementos fundamentais desta música de criatividade efervescente: personagens, eventos, organizações e factores condicionantes à criação da arte (o mais citado e recorrente será a dificuldade de fazer da criação artística o modo de vida). A edição deste livro foi um passo marcante para a credibilização de um estilo musical que ao longo da sua história sempre foi desvalorizado, quando não foi mesmo ridicularizado. Mas, como sintetizou McCoy Tyner, o pianista do célebre quarteto de John Coltrane: “music is not a plaything – it’s as serious as your life”. Este livro, tal como a música, é para ser levado muito a sério.

Há jazz no Sardoal

César Cardoso [Fotografia: Márcia Lessa]

O município do Sardoal promove um ciclo de jazz no primeiro fim-de-semana de Maio. Na sexta-feira, dia 4, actuam os Desbundixie (21h30); no sábado, dia 5, há dois concertos, Violets are Blue (18h00) e César Cardoso Quartet (21h30); e no domingo, dia 6, às 21h30, actua o Lisboa String Trio  de José  Peixoto, Bernardo Couto e Carlos Barretto. O bilhete diário tem o preço de 3€, o passe para os três dias fica por 6€.

Aí estão Elas na estrada

aqui as apresentámos, agora são Elas que se apresentam ao vivo. O trio Elas e o Jazz – novo projecto vocal de Mariana Norton, Joana Machado e Marta Hugon – vai andar na estrada com uma tour  nacional que começa no mês de Junho. Aqui fica a agenda completa.

23 Junho: Lagoa Jazzfest
30 Junho: Teatro Municipal da Guarda
6 Julho: TassJazz Odemira
20 Julho: EDP Cool Jazz
14 Setembro: Sesimbra Jazzfest
4 Outubro: DouroJazz – Vila Real
6 Outubro: Fórum Luísa Todi – Setúbal
6 Novembro: Teatro Baltazar Dias – Funchal
21/22 Dezembro: Hot Clube de Portugal – Lisboa

Demian Cabaud apresenta disco novo

O contrabaixista Demian Cabaud acaba de apresentar o seu sexto disco na condição de líder. Este novo disco “Astah”, edição do Carimbo Porta-Jazz, será apresentado ao vivo pelo argentino na companhia de Gonçalo Marques, João Pedro Brandão, Xan Campos, Jeff Williams e Iago Fernandez. Demoram Cabaud apresenta o novo disco ao vivo em três concertos no norte: na FEUP a 19 de Abril, no Ciclo de Jazz de Valença (Quinta do Caminho) no dia 20 e no Ciclo Porta-Jazz em Famalicão (CRÚ: Espaço Cultural) no dia 21.

Fred Lonberg-Holm promove ciclo em Lisboa

O violoncelista Fred Lonberg-Holm está de passagem por Lisboa e vai promover um ciclo concertos. O violoncelista de Chicago organiza o ciclo “Spring String Fling!” no Bar Irreal, apresentando três concertos durante o mês de Maio, sempre às quintas-feiras. No dia 3 de Maio actua o trio de Lonberg-Holm, Alvaro Rosso (contrabaixo) e Carlos Zíngaro (violino); no dia 10 actua um trio de violonjcelos, com Lonberg-Holm, Helena Espvall e Miguel Mira; e no dia 17 actua um quarteto com Lonberg-Holm, Zíngaro, Frode Gjerstad (clarinete) e Nick Stephens (contrabaixo). Bar Irreal localiza-se na Rua do Poço dos Negros nº 59, em Lisboa.

Serralves apresenta integral de “Naldjorlak” de Éliane Radigue

Serralves vai apresentar o ciclo integral de “Naldjorlak” de Éliane Radigue, numa estreia em Portugal. A obra da compositora francesa será interpretada por Charles Curtis, Carol Robinson e Bruno Martinez. A peça de Radigue será apresentada no dia 21 de Abril nas Galerias do Museu, a partir das 17h00: “Naldjorlak I (para violoncelo solo)” (às 17h00); “Naldjorlak II (para dois for two basset horns)” (às 18h00); e “Naldjorlak III (para dois basset horns e violoncelo)” (às 19h00). Recorde-se que em 2015 o trompetista Nate Wooley interpretou uma peça de Radigue na ZDB.

Apresentado programa completo do Out Jazz 2018

Acaba de ser apresentada a programação completa do ciclo Out Jazz. É pena que a programação se esteja a afastar do jazz que lhe dá título, para se confundir com groove, soul e funk. É também pena que uma nova geração criativa de jazz português, em plena fase de afirmação, esteja a passar ao lado deste e de outros cartazes, em favor de outras propostas que nada têm de jazz ou improvisação. Contudo, destacam-se no programa ainda algumas propostas relevantes, como Eduardo Cardinho, Hugo Antunes, Federico Pascucci e Trisonte. Aqui fica o programa completo.

 

As últimas músicas no Maria Matos


Joana Gama, Marco Franco e Tiago Sousa

Acaba de ser anunciada a programação para o último ciclo de música no Teatro Maria Matos tal como o conhecemos. Estes são os últimos concertos programados por Pedro Santos, que vai transitar para a nova equipa da Culturgest. Serão apresentadas cinco propostas nacionais ligadas ao jazz e à improvisação: no dia 5 de Maio o guitarrista Filho da Mãe apresenta o novo “Água-mãe”; a 18 de Maio actua o trio Marco Franco, Joana Gama e Tiago Sousa (“Música para piano, harmónio e dulcitone”); a 15 de Junho há um concerto de celebração dos 35 anos do disco “Belzebu” dos Telectu (com a morte de Jorge Lima Barreto em 2011, Vítor Rua convidou António Duarte para reactivar o histórico projecto); nos dias 19 e 20 de Junho actua o baterista Gabriel Ferrandini (que regressa após o sucesso de “Tudo Bumbo”); e a 24 de Junho o duo Joana Sá e Luís José Martins estreia o espectáculo “Paixão e folia para São João”. A informação completa sobre os espectáculos e bilhetes está no site do teatro.

Entrevista: Susana Santos Silva

[Fotografia: Márcia Lessa]

Natural do Porto, a trompetista Susana Santos Silva tem sido uma das grandes forças criativas do jazz português contemporâneo. Integrou a Orquestra Jazz de Matosinhos durante duas décadas, actuando e gravando com figuras como Lee Konitz, Carla Bley, Maria Schneider,  John Hollenbeck, Kurt Rosenwinkel e Joshua Redman, entre outros. Em 2011 editou o seu disco de estreia como líder, “Devil’s Dress”, e desde então vem alimentando uma discografia rica, na qual se avolumam parcerias com músicos internacionais. Em simultâneo, foi também fundadora e dinamizadora da Porta-Jazz, a associação responsável pela actual vitalidade do jazz no Porto. Mudou-se recentemente para a Suécia e vem tocando por toda a Europa, explorando a sua música aberta, entre o jazz e a improvisação.  Continue reading “Entrevista: Susana Santos Silva”