3 Discos? A escolha de Ana Brandão

[Fotografia: Vitorino Coragem]

“Ana Brandão é actriz e cantora. Tem 46 anos. Formou-se como actriz no curso do Instituto Franco-Português. A mãe é a Gracinda e o pai era o Júlio. Tem três irmãos e três sobrinhos. Teve quatro animais. O peixe Bomba, o canário Filipe, o gato Beckett e o cão Tricky. Teve muitos namorados. Tem um namorado. Fez muitas peças de teatro e muitos concertos. Casas e pessoas boas com quem trabalhou: Teatro O Bando, Primeiros Sintomas, Tep, Teatro Aberto, Mala Voadora, Nuno Cardoso, Beatriz Batarda; Carlos Bica, João Paulo Esteves da Silva, Real Combo Lisbonense. O cinema que fez com o João César Monteiro, Raquel Freire, Margarida Gil, José Filipe Costa. Viajou muito a trabalhar: Bogotá, Querença, São Tomé e Príncipe, Rio de Janeiro, Sever do Vouga, Viena, Braga, Sarajevo, Montalegre, Puerto Natales, Paredes de Coura, Puerto Mont, São Miguel, Maputo. Anda de bicicleta na sua cidade. Tem saudades do pai.”

  

Kate Bush – “Hounds of Love”
(EMI, 1985)
“Quando era adolescente ouvia a Lena D’Água e a Xana mas quem me tirava do sério era a Kate Bush. Além da voz era a maneira como dançava e representava nos seus videoclipes. Tentava imitá-la cantando para o espelho do guarda fatos, no quarto dos meus pais. Neste álbum rodopiava e não parava até ficar tonta.
The morning fog
I am falling
Like a stone
Like a storm
Being born again
Into the sweet morning fog
D’you know what?
I love you better now.

Keith Jarrett – The Köln Concert
(ECM, 1975)
“Aprendi a cantar cada nota deste concerto. Ouvi-o repetidamente até à exaustão. Quando fiz a audição para cantar com o Carlos Bica disse-lhe que conseguia cantar o Köln Concert. Ele sorriu e deve ter achado que eu era maluquinha. Hoje já o ouço e consigo estar em silêncio.”

Marco Franco – “Mudra”
(Revolve, 2017)
“O disco que mais ouvi este ano. Conhecia o Marco dos Tim Tim por Tim Tum. Óptimo baterista, mas neste seu “Mudra” a delicadeza, a fragilidade e o respeito pelo piano tocaram-me imenso. Tive a sorte de assistir a tudo isto ao vivo, no seu primeiro concerto, no Festival Rescaldo. Um momento muito especial que não esquecerei.”